top of page
acreditar-em-si.jpg

Conheça também nossas páginas sobre:

Contato


Economia Criativa

Moda Social

Pequena Empresa

Perguntas sobre Vendas

Pelas trilhas da Venda

Criatividade e Liderança

Empreendedorismo Social

Ação Social

Trabalho Voluntário

Blog

Agenda

Desperta! A vida sempre vai renascer!

Em compasso de espera, a nossa vida está em suspensão…


Quando isso acontece, a vida se poupa, se preserva, guarda forças para ressurgir em hora oportuna, que não chegará ao acaso, que não será marcada por força sobrenatural ou santa, mas por centelha do Querer.


Depende de nós

Estamos vivendo uma situação muito peculiar nestes dias assolados pela espera rotineira - aquela do dia a dia que acorda teimosa com a gente depois de uma noite mal dormida, noite que amanhece como uma tentativa frustrada de pôr fim ao dia anterior.


Persistente, o dia nos acorda bem cedinho, como se nada tivesse acontecido, querendo continuar...



Nos obriga a sair da cama, movidos por um incontentamento ansioso de não ter muito o que fazer e pelo vazio no peito que faz faltar espaço para o ar buscado com ardor, na intenção de aliviar a angústia.


Paramos nossas atividades profissionais e a vida, de modo geral, por impositivo de uma coisa nova para quem é novo nessa coisa de viver…


Mas a história conta, pra quem se dispõe a sentar e ouvir, que já vivemos coisa pior e nem por isso deixamos de fazer história...


Temos experiências que podem ser contadas para quem se dignar a sentar e dar de si, do seu tempo, da sua atenção e fome, fome de aprender como foi e de apreender o que virou história.


A experiência era transmitida através da troca, do diálogo, do prazer de se aprender junto...

Baseados em experiências passadas, criamos ou vislumbramos soluções para aquilo que nos acomete neste momento dramático.


Dentro de nós existem recursos que ainda precisam ser descobertos...

Os legados não nos obrigam a começar do zero!

Eles são nossas ricas reservas de conhecimentos nas ações empreendidas para o enfrentamento ou solução de problemas ou dificuldades, de toda ordem, que se assemelham, em sua base, aos desafios atuais que demandam planejado enfrentamento.


Quando se leva um susto muito grande, é comum ficarmos paralisados…

Talvez isso seja um reflexo instintivo dos nossos primeiros passos sobre a Terra - um recurso de defesa diante de algo contra o qual não podíamos lutar, reação que vemos em alguns animais, ainda hoje.


Nestes, o torpor passa depois de algum tempo…


Em nós, em geral, passa ainda mais rápido, sem que percamos a possibilidade de reação e, ainda somos secundados por uma forte descarga de adrenalina e outras substâncias que nos proporcionam um poder de reação incrível diante da ameaça.



Mas o que vivenciamos, naqueles primeiros momentos, não nos causou um susto, por não ter acontecido instantaneamente, de pronto...

Ele foi se sedimentando aos poucos…


Os primeiros fatos foram distantes e as suas notícias passaram despercebidas para a grande maioria de nós.


O tempo foi passando e seu caminhar era, para nós, lento e não representava risco iminente.


Somente muitos meses depois, ela chega sorrateiramente ao Brasil.


espera...

Sem alarido, foi se estabelecendo sem causar espanto ou susto necessários para provocar uma reação defensiva.


De acordo com o surgimento dos primeiros casos, fomos tomando medidas paliativas e as estritamente necessárias para aquele momento.


Esse comportamento fez com que fossemos nos habituando lentamente ao cerceamento de nossas atividades e passamos a ser espectadores aguardando as orientações para os nossos próximos passos, perdendo assim o poder de reação e entrando em compasso de espera, aguardando que a crise passasse e tudo voltasse a ser como antes por um simples passar do tempo, naturalmente...



Fomos surpreendidos pelo fechamento das empresas como se isso não fosse previsto, como se isso não tivesse acontecido por onde o vírus passou.


Mas eram somente por 15 dias e muitos até pensaram ser férias fora de época!


Com o isolamento social, o consumo foi reduzido drasticamente.


Semanalmente, assistimos as prorrogações da volta à normalidade e fomos nos acostumando com a vida em suspensão, decreto após decreto nos deixamos levar à moda Zeca Pagodinho (deixa a vida me levar)...


Meu medo é que, sem um susto motivador, não tenhamos força para reação impres