Conheça também nossas páginas sobre:

Contato


Economia Criativa

Moda Social

Pequena Empresa

Perguntas sobre Vendas

Pelas trilhas da Venda

Criatividade e Liderança

Empreendedorismo Social

Ação Social

Trabalho Voluntário

Blog

Agenda

O meu portão

Atualizado: Mai 17

Vivemos momentos em nossas vidas,

que ficam retidos no nosso subconsciente…

Um dia, eles escapam e caem no papel querendo ser livres… Depois de cinquenta e três anos, achei ser hora de deixar eles saírem, de libertá-los. Este texto que compartilho com vocês sempre foram lembranças nebulosas, esparsas em minha mente… Elas são dos dias que se seguiram ao desencarne do meu pai.

Sentado no degrau do portão, na beira da rua eu esperava... O degrau era baixo, pois eu tinha meus pés no chão mesmo aos três anos de idade. O portão aberto, encostado no muro, também era baixo, acho que os fabricantes de portões tinham menos o que proteger... Ao fim de todo dia, eu esperava ali até que ele apontasse no pé da nossa rua… “O que faz aí menino?” - minha mãe me perguntou, olhando do alto do alpendre.

Com o pé no chão, eu respondi um pouco aborrecido: “Tô esperando meu pai!” Diante do silêncio da minha mãe, eu aproveitei e olhei mais uma vez a rua na esperança de que ele surgisse. Depois de um silêncio constrangido, minha mãe me chama a entrar e a parar de esperar. Entrei um pouco contrariado e cansado de esperar… O portão só tinha um metro, mesmo assim eu o fechei, sem saber o porquê. O corredor era comprido, ladeava a casa indo dar no quintal que era grande.

Eu sempre entrava pela porta dos fundos, meus pés estavam sempre sujos... O taco da sala sempre brilhando à custa de muito escovão e flanela fazia dessa porta algo proibido. Pé sujo e sala brilhante, desde aquela época, não combinavam muito… Eu e as outras crianças andávamos descalços… talvez fosse moda.

Aos três anos tudo é muito grande: a casa, as pessoas e o quintal... O muro era muito alto, mas os portões eram da minha altura...

A casa então, tinha um alpendre grande que dava pra jogar bola, ele tinha o piso vermelho contornado de grades da altura dos portões.


Nos dias que se seguiram àquele que meu pai não chegou, eu ainda fui ao portão e fiquei lá, de pé... sem sentar… Diante do não chegar dia após dia, eu parei de ficar no portão. Agora, no portão nem sentado nem de pé, eu só, parei de parar no portão. O portão deixou de ser um ponto de encontro, virou só um entrar e sair durante todo o dia, menos nos finais das tardes.

Agora, com quatro anos, a vida era muito corrida… Nem de relance eu olhava o pé da rua, muita falta de tempo para tantas aventuras… Cavar poço, caçar borboletas, pegar mandruvá, correr na rua, esconder-se, procurar, construir abrigos, subir nas mamoneira …

Mamoneira (Pé de mamona)

Sem tempo pra nada, os anos passam e você nem vê... Vida de correria… "Chegou a Copa do Mundo" me avisaram... Sem tempo e sem televisão em casa eu não vi.

Aos sete anos, o dia termina antes que você possa dar conta de tudo.

Na falta de tempo, a noite passou a ser uma aliada, agora eu tinha compromissos noturnos urgentes: policia e ladrão, pique esconde, histórias de fantasma, a mãe chamando fora de hora para dormir (sempre no melhor da brincadeira). Aos nove anos as coisas pioram, as atividades se intensificam, falta mais tempo…

A escola prejudica muito o andamento da vida na rua.

O tempo passa tão rápido que quando eu me dei conta chegou a Copa do Mundo de 74! Agora, já tem televisão lá em casa. Assisti aos jogos no vizinho, a televisão dele é em cores, a primeira que eu vi. Aos onze anos, me lembro mais da televisão colorida do que dos jogos assistidos.

No ano seguinte, algumas circunstâncias me levaram daquele mundo… O portão pequeno se fechou pela última vez, minha mãe quis voltar para perto da mãe dela. Começo vida nova num lugar frio, abril de 1975: uma vida nova começa para mim. Agora, sem a casa, sem o portão, sem a rua, sem os amigos, hora de ter coragem e recomeçar vida nova. O portão, o pé no chão, o corredor que já nem era tão comprido e dava no quintal... ficou tudo para trás.

Faz tanto tempo isso que não sei se vivi ou se sonhei… Dizem que inventamos coisas do nosso passado e acabamos acreditando nelas depois de repetir várias vezes as nossas histórias … O certo é que aqueles dias que esperei no portão sem sucesso nunca saíram da minha cabeça… essa parte eu tenho certeza que é verdade.

Hoje os portões são todos alto e estão sempre trancados. Os fabricantes de portões devem ter medo… Ou será que portões altos são mais caros e dão mais lucros? Cinquenta e três anos depois, me lembro até do desenho que o ferro trabalhado formava naquele portão. Sentado, com os pés no chão, olhando a rua!

Você já pensou em escrever? Já experimentou colocar sua ideia no papel?

Dizem que faz bem!

Rogério Alves


O convite para opinar, aqui, é diferente! Sua opinião ficará exposta e não será soterrada por outras e desaparecerá como nas redes sociais. Por isso, se sentir vontade, deixe seu comentário logo abaixo. Veja como fazer neste vídeo:


96 visualizações

Será um prazer fazermos contato!

  • Grey Google+ Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Facebook Icon

Acreditar em si | Palestra motivacional

Rua Rosa Ribeiro, 236, sobrado, Conselheiro Paulino.
Nova Friburgo, Rio de Janeiro. Cep: 28633 450

   Créditos

Agradecimentos aos facilitadores desse site: